Categorias Animes

Conheça as transformações oficiais do Broly em Dragon Ball Super

O super Saiyajin lendário estreou pela primeira vez em um filme, em 1993, que nunca fez parte da história canônica de Dragon Ball. Depois disso, ele retornou em outros dois filmes e ganhou uma incrível popularidade. Mais de duas décadas depois, em 2019, Broly, em Dragon Ball, ganharia seu primeiro filme canônico, onde voltou em uma nova versão e com novas formas também.

O antigo Broly já era um sucesso, mas com as modificações para entrar no cânone, ele se tornou mais popular ainda. Em suma, a história do personagem e os seus poderes foram aprimorados. Confira abaixo as suas novas formas oficiais:

Oozaru

Em primeiro lugar temos a forma básica do Broly, Oozaro. Essa transformação é vista pela primeira vez em Dragon Ball Super: Broly, durante um flashback. Devido ao perigo, Paragus cortou a cauda de Broly.

Ira

Essa forma é conhecida como “estado de raiva”. As pupilas do personagem ficam amarelas e o seu cabelo fica em pé, como o de um Super Saiyajin. De acordo com Paragus, Broly desenvolveu essa forma para concentrar o poder do Oozaro.

Super Saiyajin lendário

Na forma lendária, o cabelo de Broly fica dourado como o de um Super Saiyajin e a sua massa muscular cresce de forma impressionante. Além disso, ele também perde as suas pupilas e ganha uma aura diferente dos demais Super Saiyajins.

Nesse estado, Broly demonstrou um controle absurdo dos seus poderes. A sua luta por mais de 1 hora com Freeza mostra que a resistência do personagem não tem limites embora o consumo alto de energia.

Super Saiyajin lendário no máximo (berserker)

Berserker basicamente se refere a ficar totalmente incontrolável e é isso que vemos quando Broly libera tudo o que tem. O seu cabelo ganha um novo tom de cor, a sua aura também muda e o personagem chega perto de três metros de altura.

Seu poder é surpreendentemente suficiente para superar Goku e Vegeta em formas divinas!

O que acha dos poderes de Broly em Dragon Ball Super?

Compartilhar
Publicado por
Daniel Oliveira

Utilizamos cookies para melhorar sua experiência.