Anime

Afinal, por que Dragon Ball GT não é cânone da franquia?

Toda longa franquia tem uma ovelha negra, e em Dragon, ele é o GT. Dragon Ball GT não agradou nenhum um pouco os fãs, pois mudou algumas características base que aprendemos anteriormente. Felizmente, ele não fez parte da continuação direta de Dragon Ball Z. Porém, por que isso aconteceu?

Por que ele não é canônico?

Afinal, por que Dragon Ball GT não é cânone da franquia?

Resumidamente, Dragon Ball GT não é canônico pois não é uma criação original de Akira Toriyama, criador da franquia de Dragon Ball. Ele foi produzido pela Toei Animation logo após Dragon Ball Z chegar ao fim. A empresa não queria decepcionar os fãs e decidiu continuar as aventuras de Goku em outra obra.

Toei fez o certo pensando em seu público, porém Toriyama deu uma pausa ao terminar o Dragon Ball Z, isto é, ele não fez parte da criação de Dragon Ball GT. O futuro da obra foi entregue nas mãos de outros produtores, mas Akira Toriyama ainda colaborou com algumas ideias e conceitos. Ele foi um observador que interferia às vezes.

Contudo, mesmo sendo supervisionado por seu criador, essa continuação deu muito o que falar, afinal, foi um fracasso. O GT distanciou muito dos acontecimentos finais de Dragon Ball Z, criou novos conceitos e, no geral, mais desiludiu do que agradou.

A decepção:

Ver Goku pequeno foi um desperdício de potencial, mas pior ainda foi Pan e Trunks. Poxa vida, eles viveram altas aventuras em Dragon Ball GT, porém não foram explorados como deviam. Não desenvolver o poder desses personagens foi uma facada no peito, uma vez que foram cruciais para o enredo da série.

Além disso, podemos falar também de Uub, reencarnação do Kid Buu. O último episódio do Z mostrou Uub lutando com Goku e surpreendentemente se saindo bem. Em outras palavras, o mínimo seria que ele nos impressionasse novamente no GT, o que não aconteceu, apenas decepcionou, assim como o bigode de Vegeta.

Com a chegada de Dragon Ball Super, o GT ficou apenas na memória, mesmo contando com 64 episódios e uma transformação até que estilosa. No final das contas, todos nós preferimos esquecer o que vimos. Não lembrar que ele existiu é até reconfortante.

Confira também:

Matheus Gimenez

Escritor e editor do nerdhits.com.br desde 2019. Apenas um entusiasta do universo dos animes. Não curto muito mangás, mas quando pego para ler, termino em pouquíssimo tempo. Instagram @matheusgmnz